seguranca-na-internet-das-coisas-a-quais-pontos-ficar-atento.jpeg

Segurança na Internet das Coisas: a quais pontos ficar atento?

A segurança na Internet das Coisas (IoT) é um dos principais temas de tecnologia da informática nos últimos anos. Afinal, até 2020, a estimativa é de haja 50 bilhões de dispositivos conectados e 44 ZB de dados compartilhados. Isso provoca diversos impactos nas empresas, como a redução dos custos para criação de tecnologias conectadas e as novas oportunidades que surgirão.

Entretanto, você sabe no que consiste a Internet das Coisas? Ela é a conexão de dispositivos que usam a mesma interface para se comunicar. Por exemplo, imagine seus eletrodomésticos, veículos de transporte, smartphones, maquinários indústrias etc., todos conectados à internet. Essa conexão entre objetos e pessoas à internet é justamente a IoT. A partir dela, serão coletados e armazenados dados dos usuários.

Quer saber mais sobre a Internet das Coisas, quais as suas principais vulnerabilidades e quais impactos essa transformação traz? Continue a leitura e descubra!

Principais vulnerabilidades da Internet das Coisas

Senhas fracas

Como todos os dispositivos podem estar conectados em uma única interface, é necessário ter um cuidado redobrado com as senhas escolhidas para usar nos programas. O que pode acontecer é você perder a privacidade e ter seus dados roubados.

Quando você deixa de usar senhas complexas, criar regras de acesso ao sistema e realiza uma configuração inadequada, os dispositivos ligados pela IoT estão vulneráveis e isso pode se tornar um grande problema para as empresas que ficarão suscetíveis a ataques.

Por isso, a recomendação é que você altere as senhas para sequências maiores e mais fortes, desabilite serviços e portas que não são usados e evite as configurações padrões de fábrica.

Serviço de rede inseguro

O fato de todos os serviços estarem interligados na Internet das Coisas é vantajoso por facilitar muitas atividades. Contudo, isso exigirá uma maior proteção dos serviços. Afinal, se você parar para pensar que TVs inteligentes, câmeras IPS e outros aparelhos podem ser invadidos com agilidade por hackers, é fácil entender porque a segurança na internet das coisas é um assunto importante.

Se os hackers conseguirem invadir seus serviços, isso provavelmente ocorreu porque eles não são fortes o suficiente para driblar tais situações e suas informações podem ser roubadas. Um exemplo disso foi a invasão por hackers, ocorrida em 2016, o que acabou por enviar uma alta quantidade de requests para um serviço de DNS. Isso fez com que alguns dos principais serviços na web, como Netflix e PayPal, ficassem inacessíveis por horas.

Falta de mecanismos de atuação seguros

Claro que saber disso não adianta nada se você ficar impossibilitado de aplicar na sua empresa pela ausência de mecanismos de atuação seguros. Isso pode acontecer por alguns fatores: falta da entrega segura — quando não é criptografada em trânsito —, de validação de firmware no dispositivo, de notificação de modificações de segurança e ausência de mecanismos anti-reversão.

Infelizmente, esse não é um problema incomum para aplicativos da Internet das Coisas. Muitas empresas e fornecedores não dão a devida atenção a esse quesito e não pensam no futuro dos dispositivos. Além disso, algumas vezes, o problema pode não ser da tecnologia, mas sim, da localização física do dispositivo. Isso pode fazer com que a atualização seja um grande desafio.

Falta de gerenciamento do dispositivo

Diante de toda a importância que os dados de uma empresa têm para ela, seria muito imprudente se não houvesse um suporte de segurança adequado para evitar a vulnerabilidade dessas informações. Afinal, mesmo que alguns dos dispositivos da IoT sejam pequenos e baratos, o seu gerenciamento torna-se mais importante do que nunca.

Esse acompanhamento é fundamental na fase de implantação na produção, gerenciamento de atualizações, de ativos, monitoramento de sistemas e recursos de resposta e descomissionamento seguro.

Transferência e armazenamento de dados inseguros

Que tal garantir a proteção contra o gerenciamento e controle das informações da Internet das Coisas por meio do acesso a dados confidenciais e a falta de criptografia? Em qualquer parte do processo desses dispositivos, incluindo repouso, processamento e trânsito, atitudes como essa vão ajudar em muitos aspectos.

Além disso, mesmo que os próprios fornecedores já prestem atenção ao armazenamento seguro para garantir que os dados permaneçam intactos, não custa se certificar da segurança na Internet das Coisas durante a transferência, certo? Esse é um processo por vezes ignorado, mas que deve ter total atenção.

Falta de fortalecimento físico

Claro que o fortalecimento físico também é uma medida importante, se você quer garantir a segurança na Internet das Coisas. Isso evita que potenciais hackers consigam informações sigilosas sobre a sua empresa, o que facilitaria um ataque remoto ou, até mesmo, o controle do local. Foi o que ocorreu com as empresas Netflix e Paypal, conforme já mencionado.

Afinal, a IoT, como o próprio nome já diz, está preenchida por ‘’coisas’’, elementos que tem alguma utilidade para a empresa que fornece e armazena tais informações. Entretanto, elas também podem servir de utilidade para outros fins, que poderiam colocar sua empresa a perder.

Impactos da má segurança na Internet das Coisas

Conforme já foi mencionado, ter milhões de aparelhos conectados em uma mesma rede traz muitas vantagens para uma empresa. Por exemplo, o acesso à informação será uma facilidade, poderá haver economia de energia, melhorias na saúde, educação e outros aspectos do cotidiano. Contudo, caso não haja o controle e segurança desses dados, sua empresa pode sofrer alguns impactos.

O ataque a grandes empresas na internet, como já citamos, é um exemplo que expõe a vulnerabilidade da rede e todos os dispositivos são potenciais alvos desses ataques. Isso poderia paralisar o sistema, atacar o comando e o controle da rede etc.

Por isso, agora que você sabe os eventuais riscos que ocorre caso haja uma vulnerabilidade entre as conexões dos dispositivos e a internet, reserve um tempo para seguir nossas dicas e garantir a segurança na Internet das Coisas e manter a estabilidade na sua empresa.

Então, o que você achou do nosso post? Ao assinar a nossa newsletter, você pode receber as nossas atualizações de conteúdo na sua caixa de e-mail. Que tal? Aproveite a visita!

Comentários

comentários

Juliano da Monitora
Produtor de Conteúdo na Monitora